Somos todos clientes


Hoje, dia 15 de setembro, se comemora oficialmente o dia do cliente. Uma data para refletir sobre a importância de buscar excelência no relacionamento com aquele que pode tornar seu negócio um sucesso ou um grande fracasso.


O primeiro artigo na cartilha do bom relacionamento é o respeito. Do ponto de vista da comunicação, isso significa que o cliente deve ter acesso a informações claras, que correspondam, exatamente, ao que o produto ou serviço oferece.  Informações equivocadas, mensagens com falta de clareza, ou produzidas com o propósito de induzir o cliente ao engano são não só nocivas para o negócio, como constituem um crime contra o consumidor, sendo passível de sanções legais. 


Enquanto algumas empresas cometem erros por pura falta de conhecimento ou domínio de ferramentas de gestão ou mesmo comunicação, outras o fazem deliberadamente, sendo capazes de gastar fortunas para "manter as aparências", vender gato por lebre. 


Felizmente, essas últimas fazem parte de uma minoria, algumas não porque se tornaram idôneas do dia para a noite, mas simplesmente porque perceberam que essa estratégia - que no passado conseguia se sustentar - hoje não mais. Em tempos de redes sociais, nunca foi tão difícil prolongar uma mentira. Se uma história bem contata se propaga, conquista engajamento e fãs, a mentira pode manchar a reputação de uma empresa para sempre, levando-a à falência.


Outro ponto positivo, como já mencionamos em outros textos, é que promover uma comunicação de qualidade, com informações corretas e que sejam úteis para os clientes é acessível, basta querer. O preço para imprimir um folheto, por exemplo, com erros de português ou com informações incorretas é o mesmo que imprimir um correto. Então por que algumas empresas ainda insistem em distribuir folhetos que denigrem sua imagem, em vez de promovê-la?


Em se tratando da língua portuguesa, por exemplo, há inúmeras opções de dicionários online, que podem ser consultados sem custo algum, em caso de dúvida. Da mesma forma o custo de um site. O web designer não vai cobrar mais por um site com informações corretas. Logo, não faz sentido manter no ar um site que divulga promoções que não existem mais e com mensagens desatualizadas. O famoso "tem mais acabou" está na lista do que nós, clientes, menos gostamos de ouvir, sobretudo quando percebemos que o anúncio é na verdade uma pegadinha para nos atrair a verdadeiras armadilhas. 


Então, se esse é o seu caso, repense, inclusive considerando que o gasto por ter sua imagem arranhada geralmente é muito maior que o custo de um profissional capaz de orientá-lo a produzir conteúdo de qualidade que informe seu cliente, criando uma relação de respeito e ética. Afinal, somos todos clientes.